Capítulo 2 - A Lenda do Homem de Fogo

05 DE AGOSTO DE 2018, 09:35

Neste dia, Oliver estava completando o décimo oitavo aniversário, o que significava que ele havia atingido a maioridade no seu país. Isso despertou a curiosidade de Ethan, visto que nos Estados Unidos essa questão é diferente:

- Se eu ainda estivesse no meu país, eu ainda seria considerado uma "criança"! - disse Ethan, refletindo - Outra coisa que me faz adorar esse país!
- Com a minha presença tudo fica muito melhor - disse Oliver, brincando - Pode dizer!
- Oliver, definitivamente, você nunca ganharia um concurso de humildade - disse Gabriela, rindo.
- Pelo menos eu já sou maior de idade! - retrucou Oliver, enquanto bagunçava o cabelo da garota.
- Não se preocupe, ano que vem é a minha vez!
- Bem, pelo menos você é menor de idade aqui e no seu país - disse Cho, entrando na conversa - Eu já sou maior de idade aqui desde o ano passado, mas quando visito os meus pais eu ainda sou uma "criança", como disse o Ethan.
- Ainda bem que na Austrália é a mesma coisa! - Pontuou Sophie.
- No México também! - Ratificou Alba.
- No meu país também! - Disse Themba.
- Em Belize também! - Exclamou Marco.
- Tudo bem, então eu e Cho somos os únicos "babies" aqui em seus países, mesmo depois dos 18 anos de idade! - disse Ethan, rindo.
- Gente, perdoem o meu sentimentalismo hoje, mas eu quero agradecer a todos vocês pela companhia nesses, pelo menos, dois anos que nós somos uma grande família!
- Ah, que fofo Oliver - disse Ethan apertando a bochecha do rapaz - Agora só falta você abraçar a todos nós!
- O primeiro vai ser você! - Oliver abraçou Ethan, que era um pouco mais alto que ele - Obrigado por ser o meu irmãozão!
- Ah irmãozinho! - Ethan retribuiu o abraço e fez um breve cafuné na cabeça de Oliver - Você está realmente sentimental hoje né?!
- Olha que lindo gente! Agora é a vez de todo mundo! - exclamou Gabriele enquanto s juntava aos outros em um abraço grupal.

Esta era uma rotina frequente na casa dos Fletcher, os oito jovens elementais estavam sempre reunidos na maior parte do tempo e, apesar de todos serem bastante unidos entre si, ao mesmo tempo tinham seus próprios grupos de afinidade. Oliver tinha se aproximado, principalmente, de Gabriela, desde que ela chegara, de modo que esta formava um trio quase inseparável com ele e Ethan. Naquele dia, especificamente, todos tinham ajudado os pais de Oliver a darem uma festa surpresa ao rapaz. Desse modo, naquela tarde, Ethan e Gabriela levaram Oliver para um passeio no "Birmingham Museum & Art Gallery, como um suposto presente ao rapaz, que adorava arte, e, apesar de ter ido diversas vezes ao local, sempre estava disposto a ir novamente, o que tornou fácil a tarefa da dupla. Enquanto caminhavam pelo local, Gabriela comentou:

- E aí Oliver, o que você quer fazer primeiro com a sua maioridade?
- Que tal ir para um bar? - disse Oliver rindo.
- É sério?! - Disse Ethan em tom exaltado.
- Eu só estou brincando! Você me conhece!
- Conheço sim, por isso me surpreendi! Desculpa... - Disse Ethan, com um meio-sorriso.
- Você fica lindo sem graça Ethan! - disse Gabriela rindo.
- Obrigado Gabi... - disse Ethan ainda sem jeito - Eu preciso ir ao banheiro, eu já volto.
- Você acha mesmo isso que você disse? - perguntou Oliver depois que Ethan estava fora de vista.
- Sim! E digo mais, não sou só eu que acho! A senhorita "meu pai é dono de uma grande empresa de turismo" também acha!
- É, eles têm estado bastante juntos esses últimos dias né? Será que está rolando alguma coisa?
- É difícil dizer, o Ethan está cada dia mais bonito e ela é a típica "it girl", então acho que eles formariam um belo casal, mas não sei se já rolou alguma coisa! O que você acha?
- Não sei, mas espero que não!
- Por que? Você não gostaria que, se o Ethan fosse namorar, pudesse ser alguém que a gente conheça?
- Err...claro, mas...eu não sei - respondeu Oliver, nervoso.
- O que foi? Está com medo de perder o irmãozão?! - perguntou Gabriela, rindo e cutucando Oliver.
- É, pode ser isso! - respondeu Oliver rapidamente - Ele nunca namorou, então estou mal acostumado de ter a atenção dele só para mim. Isso é maio egocêntrico, né?
- É verdade, ele nunca namorou né? Isso é estranho, ele tem todo o potencial para ser um "pegador", mas não parece muito interessado em se envolver com ninguém! - disse Gabriela e, quando percebeu que Ethan estava voltando, mudou de assunto: - Aquela obra ali me faz refletir sobre a minha vida sabe!
- Você refletindo? Não consigo conceber isso! - disse Ethan rindo.
- Ah, cale-se Ethan! - disse Gabriela ao dar um soco no braço de Ethan.
- Ai Gabi! Isso doeu!
- Nossa, vocês parecem um daqueles casais de adolescentes, com essas brincadeiras!
- Até parece que você não gosta delas! - Gabriela respondeu prontamente - Além disso, eu jamais formaria um casal com o Ethan, ele é quase um irmão para mim e, para completar, é muito chato!
- Você me ama daqui até a lua! - respondeu Ethan - E quanto a você irmãozinho, nós temos o mesmo tipo de brincadeiras, e aí? Somos um casal de adolescentes gays?
- O que? Não...err...fala sério! Que tipo de ideia é essa?! - disse Oliver na defensiva.
- Vocês são hilários sabia! - disse Gabriela rindo - Um, quase sempre, não entende o outro e não leva na brincadeira quando tem que levar! Relaxa Oliver, para que essa tensão toda!
- Não tem nenhuma tensão! Vamos andar mais, o que é melhor! Chega de conversa!
- Tudo bem - disse Gabriela começando a caminhar - Mas só mais uma coisa...Ethan, posso te perguntar uma coisa pessoal?
- Claro! Eu não tenho segredos para vocês!
- Que bom! Então me responda, por que você nunca teve uma namorada?
- Ah, é só isso? Essa é fácil! Simplesmente porque eu estou esperando a pessoa certa e não estou com nenhuma pressa!
- Sério, e como seria essa pessoa certa?
- Eu não sei, uma pessoa companheira, segura de si, forte, decidida, independente, bonita, sensível, altruísta, enfim, várias qualidades desejáveis em uma pessoa.
- E você nunca encontrou alguém assim?
- Para falar a verdade sim, mas eu chamo essa pessoa de "irmãozinho"... - disse Ethan olhando para Oliver, que rapidamente corou.
- Err...obrigado irmãozão!
- O Oliver é sensível?! Não creio!
- Ei! Agora eu fiquei chateado!
- Desculpe! Eu só estou brincando! Mas, agora que você disse Ethan, o Oliver realmente tem ótimas qualidades, mas também nunca namorou ninguém! - Constatou Gabriela - Qual a sua defesa Oliver?
- Não tenho nenhuma defesa...talvez também esteja esperando a pessoa certa, mas, na verdade, eu não penso muito nisso...
- Nossa, vocês dois são bem estranhos! Eu só tenho dezessete e já queria um namorado!
- Por que você é audaciosa! - disse Oliver rindo.
- Toooodos os dias da minha vida! - confirmou Gabriela.

Depois de uma tarde andando pelo BMAG, os três voltaram para casa e Oliver realmente teve uma grande surpresa com a grande festa que a sua "grande família" preparara para ele. Havia muita comida, o que era muito bom para ele e a festa durou a noite toda, permeada por brincadeiras e jogos após o jantar. A primeira brincadeira fora proporcionada por Alba, na qual cada um deveria se jogar de certa altura, enquanto ela os levitava no ar. A elemental do ar tinha se tornado incrivelmente boa em levitar objetos cada vez mais pesados. Depois, o próprio aniversariante proporcionou uma pista de gelo para patinar. Por fim, Gabriela proporcionou uma caça ao tesouro em times, dentro de uma floresta que ela mesma criara, com uma variedade de plantas enorme e alguns animais, trazidos por Marco.
No fim da noite, a maioria dos elementais e os pais de Oliver se retiraram para seus aposentos, porém, Ethan permaneceu conversando com Sophie em um canto da sala, enquanto Oliver e Gabriela conversavam em outro. Pouco tempo depois, Oliver e Gabriela foram para seus respectivos quartos. Quando Ethan, o único que dividia quarto com Oliver por escolha própria, foi se deitar, o aniversariante fingiu que estava dormindo.
Oliver estava se perguntando, havia alguns dias, por que o fato de Ethan ter se aproximado tanto de Sophie lhe incomodava tanto, porém ainda não tinha achado uma resposta convincente. A garota tinha sido a quarta pessoa a formar o grupo de elementais, chegando quase na mesma época que Themba, em 2013, portanto eles já tinham quase cinco anos de convivência e ela nunca fez nada para lhe provocar aversão. De alguma forma, vê-los conversando no final da festa lhe fez sentir um tipo de ressentimento, mas como ele sabia que era inexplicado, preferiu fingir que estava dormindo e, com esses pensamentos em mente, acabou de fato adormecendo.
No dia seguinte, Oliver foi acordado abruptamente por Ethan, que lhe cutucava e dizia:

- O que foi Ethan... - disse Oliver, sonolento.
- Você precisa ver isso!

Oliver acompanhou Ethan até a sala, onde havia a smartTV com uma tela enorme da família Fletcher, na qual havia uma repórter comunicando que um sujeito desconhecido estava usando "um show pirotécnico" para assustar as pessoas de Los Angeles. Quando Oliver viu o sujeito, prontamente, olhou para Ethan e disse:

- É Ele?
- Sem dúvida! Mas, por que se revelar desse modo justo agora?
- Eu não sei, mas eu acho que essa é a oportunidade que nós estávamos esperando!
- Oportunidade de que? - perguntou Marco, curioso - E quem é essa figura aí na TV?
- Ele é o cara de quem nós falamos! O tal Saulo!
- Então, esse é o cara que "matou" o seu Imortal Ethan? - disse Cho, enquanto entrava na sala.
- Sim...e eu acho que essa é a oportunidade de colocarmos o que nós aprendemos em prática! O que vocês acham?
- Você quer dizer, tipo, tentar lutar contra esse cara para colocarmos nossas habilidades em prática? - Themba perguntou enquanto se sentava no sofá.
- Exatamente Themba! Mas não só isso, esse cara matou um dos nossos elementais e talvez possa ser a chave para nós descobrirmos o que realmente aconteceu, pois eu não acho que um Imortal possa ser morto de verdade!
- Você tem razão Oliver! Eu acho que nós já estamos prontos para resolver esse problema! Esse cara é a nossa melhor chance em anos!
- Eu vou a qualquer lugar sob a liderança de vocês! Se vocês acham que nós estamos prontos para lutar, então assim será!
- Eu fico lisonjeado Gabi, mas eu quero deixar claro que eu não posso obrigar ninguém a ir comigo! Sintam-se livres para escolher.
- Você sabe que sempre pode contar comigo, então não tem nem o que escolher.
- Eu vou, definitivamente.
- Desculpem, eu me atrasei para alguma reunião? - disse Alba, com ar sonolento, o que despertou risadas nos demais.
- Você é sempre atrasada Alba! - disse Gabriela em tom de brincadeira - Olha, nós estamos decidindo se vamos pegar esse cara que está aparecendo aí na TV e dar uma lição nele!
- Dar uma lição em um cara? - disse Alba empolgada - Nem preciso de mais detalhes, eu estou dentro!
- Eu também estou dentro!
- Nem preciso pensar duas vezes! Vamos lá!
- Eu também!
- Bom, então se estamos todos de acordo, vamos sair daqui a duas horas rumo a Los Angeles! Vão arrumar as suas coisas, enquanto eu e o Oliver vamos falar com nossos pais!

Assim, os elementais foram arrumar as coisas para a grande viajem que viria pela frente, enquanto Oliver e Ethan permaneceram no sofá sala. Depois de um tempo, Oliver se levantou do sofá e disse:

- Eu vou arrumar logo as minhas coisas!
- Oliver, espera - disse Ethan, segurando o braço do rapaz - A gente pode conversar?
- Ah, claro! O que foi?
- Por que você fingiu que estava dormindo ontem? - disse Ethan em tom sério.
- Eu não fingi...o que você quer dizer?
- Ah Oliver, não tente mentir para mim! Eu sei quando você está dormindo, porque seu padrão respiratório é completamente diferente e ontem você estava, definitivamente, fingindo! O que eu quero saber é, por que?
- Eu...eu só não queria conversar...
- Mas, por que? A gente sempre conversa irmãozinho!
- Eu não sei Ethan, é complicado!
- Tem a ver com a Sophie?
- O que? Não! Não...
- Irmãozinho, você está com ciúme da Sophie?
- Eu? Não! Que ideia é essa?
- Então o que é? Você nunca agiu assim comigo em seis anos!
- Desculpe, eu não devia agir assim! Prometo que não vai mais acontecer!
- Está tudo bem irmãozinho, eu não estou chateado, estava apenas preocupado com você! Independentemente do que você esteja sentindo - Ethan abraçou Oliver - Lembra que eu te amo e que você está sempre em primeiro lugar para mim, tudo bem?
- Tudo bem! Eu também te amo irmãozão!

Depois disso, ambos foram fazer suas malas e comunicar ao Sr. e Sra. Fletcher os planos de viajem dos elementais. Os pais de Oliver não ofereceram qualquer resistência à ideia, embora demonstrassem preocupação. Desse modo, uma grande aventura envolvendo Saulo, o assassino de Flamus, estava à espera dos elementais em Los Angeles.
A viagem para Los Angeles, patrocinada pelos Fletcher, foi bastante tranquila e o grupo de elementais foi bem-sucedido em controlar seus poderes dentro do avião, embora uma aeromoça tenha jurado ver pequenos brotos na poltrona de Gabriela. Mesmo depois da longa viagem, os elementais estavam determinados a encontrar Saulo e se dividiram em dois grupos para vasculhar as ruas de Los Angeles:

- Eu acho que nós deveríamos nos separar em dois grupos, assim nós poderemos cobrir uma extensão maior da cidade. Eu vou para o lado oeste da cidade, com a Alba, a Sophie e com você irmãozinho - disse Ethan apontando para Oliver.
- Irmãozão...eu acho melhor eu ir para o outro lado com o outro grupo, afinal nós somos meio que os responsáveis por essa viagem... - respondeu Oliver, calmamente. De fato Oliver acreditava em suas palavras, porém, o motivo principal era a presença de Sophie, que ainda lhe suscitava sentimentos ambíguos.
- Ah...tudo bem então...então você pode vir conosco Marco - disse Ethan olhando para o rapaz.
- Certo! - respondeu Marco empolgado.
- Tudo bem, então Themba, Gabriela e Cho, sigam-me para o lado leste da cidade! - disse Oliver em tom animado - Nos encontramos aqui no aeroporto em duas horas, se não conseguirmos encontrá-lo. Porém, caso o meu grupo o ache, sigam a neve ou, caso o seu grupo o encontre, nós seguiremos o vento, tudo bem Alba?
- Pode contar comigo!
- Bem, então é isso...até mais irmãozinho! - disse Ethan, despedindo-se com um meio sorriso.
- Até mais Ethan... - Oliver realmente queria dizer mais, porém não conseguiu proferir mais nenhuma palavra. Por algum motivo, ele estava chateado com Ethan, mas isso não fazia sentido nem mesmo para ele.

A busca pela cidade não durou muito, já que o grupo de Oliver utilizou os poderes do elemental do gelo para percorrer mais rapidamente a cidade e logo encontrou Saulo atormentando as pessoas na San Diego Freeway. Ao avistá-lo, Oliver só teve tempo de criar uma tempestade de neve antes de ser atingido por uma bola de fogo, cair, bater a cabeça no chão e ficar inconsciente. Depois disso, Cho utilizou uma barreira elétrica para protegê-lo enquanto Gabriela tentava acordá-lo e Themba caminhava em direção a Saulo, dizendo:

- Vamos ver o que consegues fazes contra isso! - O rapaz ergueu as mãos e o chão começou a tremer e rachar, então os pedaços do asfalto se concentraram ao redor dele - Tiro ao alvo! - com um movimento das mãos para frente as pedras voaram em grande velocidade em direção a Saulo, que foi atingido, porém desviou a maior parte das pedras com um movimento do braço, o qual produziu labaredas ao seu redor.
- Minha vez! - Saulo ergueu as mãos e disse: -  Sagitta - então uma flecha de fogo voou em direção a Themba.
- Proteção! - rapidamente um bloco de pedra se ergueu em frente a Themba, protegendo-o por pouco de ser atingido pela flecha de Saulo.
- Não chegas nem aos pés de um elemental de Géon! Essa foi a pior defesa que eu já vi alguém fazer com o elemento terra!
- Quando eu quiser a sua opinião eu falo! - respondeu Themba - Agora defende essa aqui! - Ele fez um movimento circular com as mãos e poeira começou a subir do chão, rotacionando ao seu redor. Nesse momento, Oliver despertou, bastante desorientado, e Themba cochichou para Gabriela: - Gabi, eu vou criar uma distração e vou tentar segurá-lo até que os outros cheguem, tira o Oliver daqui! - depois disso, tornou a focar em Saulo e disse: - Vamos ver o que consegues fazer sem nos ver e com seus poderes bloqueados! - o rapaz apontou novamente com as mãos para Saulo e uma tempestade de areia cobriu o inimigo. Enquanto isso, Gabriela corria com Oliver apoiado em seu pescoço, enquanto Cho permanecera parada ao lado de Themba, o qual disse: - Cho, sai daqui! Você precisa se proteger!
- Ninguém vai ferir o meu amigo e ficar ileso! Eu quero lutar junto com você! - disse a garota, determinada.
Ignis firmamento! - Saulo gritou e uma cúpula de fogo cobriu Cho e Themba, os quais tentaram utilizar seus poderes para contra-atacar, porém a cúpula parecia impenetrável - Não sejam idiotas! Não há nada que os seus poderes possam fazer dentro dessa prisão de fogo! E é melhor pouparem o seu ar, porque ela está se alimentando dele a cada segundo e vocês ficarão sem oxigênio em breve! Agora me digam, onde está aquele elemental do fogo?
- Bem aqui! - exclamou Ethan enquanto lançava uma bola de fogo, a qual fez um buraco na cúpula de Saulo e viabilizou a saída de Themba e Cho.
- Nossa, você ficou mais forte desde a última vez que nos vimos hein! Mas, como da última vez, ainda não é páreo para mim! - Saulo lançou uma versão melhorada do ataque com flechas - plures sagittas!
- Não esteja tão certo disso - um escudo de fogo surgiu em frente a Ethan - O que você quer nesta cidade? E o que aconteceu com Flamus?
- É este o meu propósito nesta cidade! - disse Saulo - Pode relaxar a sua barreira, eu não vou mais atacar! Eu precisava testá-lo e decidir se realmente és digno da informação que eu tenho para compartilhar!
- Como assim? - respondeu Ethan confuso, ainda com a barreira a sua frente.
- Eu ataquei esta cidade porque eu soube que o último elemental oficialmente treinado por Flamus era de Los Angeles! Eu preciso compartilhar uma informação muito valiosa, porém somente os mais fortes são dignos dela! Bem, eu pude ver que tens muito potencial como um elemental do fogo, considerando-se que conseguistes bloquear um ataque muito poderoso, mesmo com um nível de treinamento tão pobre e sem qualquer conhecimento sobre os segredos dos Imortais.
- Cara, isso foi um elogio? - disse Ethan perplexo - E por que me contarias algo, depois de teres matado o meu Imortal?
- Veja bem, o que aconteceu com Flamus vais precisar descobrir sozinho, porém, o que eu tenho a te dizer eventualmente vai te levar a isso!
- Pare de falar em código! Apenas seja direto e diga o que tens a dizer! - exclamou Ethan.
- Eu estou morrendo Ethan... - disse Saulo com feições sérias - Mas eu preciso compartilhar a minha grande descoberta com alguém! Eu tenho câncer em estágio de metástase e isso está afetando os meus poderes, a minha energia vital está sendo prejudicada e o meu poder está me consumindo, parece que eu estou queimando por dentro!
- Eu... eu sinto muito! - exclamou Ethan, sem saber o que mais dizer, então extinguiu a barreira de fogo, como um gesto de compaixão.
- Não sinta! Eu não sou uma pessoa boa, apenas estou morrendo e...bem, talvez eu mereça isso! Mas deixe-me lhe explicar algo...bem, na verdade eu vou lhe contar uma breve história que o somente povo mais antigo da minha cidade conhece:

Há muitos séculos, quando os seres humanos ainda viviam em cavernas, um homem pré-histórico encontrou durante uma caçada alguém muito diferente dele: um homem que possui traços humanos, porém estava envolto por uma aura de fogo, a qual o cobria como se fosse uma manta e não queimava o seu corpo.
Este homem permaneceu entre os homens das cavernas e lhes ensinou o segredo do fogo. A partir dessa época ele passou a ser adorado pelos homens como um deus e sempre lhes favorecia em batalhas com outros povos que não possuíam o conhecimento sobre o fogo.
Porém, um dia o homem de fogo, como era conhecido, ficou cansado da sua vida entre os mortais e resolveu escolher uma pessoa daquele povo, que tinha prosperado bastante e se expandido, para revelar segredos ainda mais profundos sobre a manipulação do fogo e para proteger aquele povo durante o seu planejado descanso.
O homem de fogo gostava tanto daquele povo, que compartilhou com eles a chave para fazê-lo entrar em um profundo descanso e depois acordá-lo, quando eles estivessem em perigo perante outros povos ou na ocasião em que outra pessoa precisaria ser escolhida para conhecer mais profundamente os segredos do fogo.
O primeiro homem escolhido foi o líder do povo, o qual proferiu o encanto para colocar o homem de fogo em descanso profundo e depois levou o seu povo a prosperar ainda mais, sempre seguindo as ordens do seu deus quanto ao uso racional dos seus poderes. Este ciclo foi sendo seguido por diversas gerações ao longo da história da humanidade, porém, eventualmente, os escolhidos passaram a esquecer a racionalidade exigida pelo homem de fogo e passaram a usar os poderes para conquistar territórios e escravizar outros povos.
Percebendo essa subversão dos escolhidos para usar o seu poder, o homem de fogo, com muito pesar, resolveu destruir o seu amado povo, que tinha se tornado ambicioso e subvertido. Assim, um incêndio eliminou quase todos aqueles que sabiam da existência do homem de fogo e aqueles que um dia tiveram o conhecimento e o poder de controlar os segredos do fogo e até mesmo aquele conhecido como o homem de fogo. As poucas pessoas que sobreviveram difundiram a utilização do fogo, mas o conhecimento sobre o homem de fogo foi se perdendo ao longo dos anos, embora poucos ainda contem essa lenda para perpetuar o conhecimento sobre a existência de tal ser imortal.

- Então...de quem achas que essa história fala?
- Flamus! Essa história é sobre Flamus! - exclamou Ethan.
- Exato! E aquelas pessoas para quem ele contou o segredo do fogo foram os primeiros elementais, por assim dizer!
- Mas, se Flamus realmente destruiu aqueles que sabiam sobre a existência dele, como essa história conseguiu sobreviver tanto tempo?
- Como eu disse, somente os mais velhos na minha cidade sabem essa história e, ainda assim, são pouquíssimas pessoas, nas quais ninguém acredita. Há pessoas como a minha avó, cuja família sempre esteve lá e que vêm perpetuando essa história!
- Certo...mas e quanto aos elementais? Por que nós estamos aqui se Flamus desistiu deles?
- Porque, no fundo, Flamus é um fraco, de coração mole! Ele me contou que ele e os outros imortais resolveram mudar o modo de escolha dos elementais. A partir de certo momento, eles começaram a escolher as crianças, por acreditarem que seria mais difícil subverter o coração delas, mas eles estavam errados, considerando-se a sociedade em que vivemos! Além disso, não haveria mais um povo a ser beneficiado e sim toda a humanidade, sendo que os elementais deveriam ser sigilosos e não mais tão exibidos como antigamente.
- Mas o que isso tem a ver com o fato de teres matado o Flamus? Por que fizestes isso?
- Eu tenho meus motivos, que não são da sua conta, mas eu posso lhe dizer que o fato de eu saber tanto é uma mera coincidência de ter relacionado o meu papel de elemental à velha história que a minha avó me contava todas as noites antes de dormir. Associando isso às informações que Flamus compartilhava comigo, eu consegui deduzir que talvez o segredo de Flamus não estivesse totalmente perdido, pois o que nem mesmo ele sabia era que os homens das cavernas tinham um hábito muito interessante de desenhar coisas nas paredes das cavernas. Quando eu descobri que o local onde o povo de Flamus viveu corresponde a uma porção da minha cidade, eu fui investigar e acabei encontrando o segredo para colocar o Imortal do fogo em sono profundo, que só pode ser quebrado por um elemental, com as palavras corretas.
- Então Flamus só está em algum lugar dormindo?
- Pode apostar que sim! Mas ainda não celebre, porque vais ter muito trabalho para acordá-lo, se é isso que realmente queres! - disse Saulo - Quer um conselho? Deixe-o dormindo e governe o mundo! É isso o que eu faria se esse câncer não estivesse literalmente me consumindo!
- Mas isso não é o tipo de coisa que eu faria! - respondeu Ethan zangado.
- Bem, ninguém pode ser perfeito, então não posso esperar que sejas tão determinado quanto eu! Então, se vais mesmo acordá-lo, eu tenho uma dica: às vezes as palavras ditas na linguagem certa têm mais poder!
- O que isso quer dizer?
- Descubra! Eu só não queria morrer com todo esse conhecimento sem compartilhá-lo com alguém, mas não vou facilitar a tua vida! - disse Saulo virando as costas para Ethan e caminhando na San Diego Freeway - Ah, uma última dica - Saulo virou o rosto para Ethan e disse: - Não deixe o mundo dizer o que deves fazer, apenas faça o que o seu coração manda garoto! Precisas ser mais determinado e, quem sabe, um dia sejas um elemental tão poderoso quanto eu! - depois disso, ele continuou caminhando enquanto uma chama surgiu ao redor do seu corpo, até que, em poucos segundos, o seu corpo caiu inerte no chão, com marcas de queimadura por toda a sua extensão.
- NÃO! - Ethan fez menção de correr em direção ao corpo, porém foi impedido por Themba.
- Deixe-o Ethan...a polícia logo aparecerá para recolher o seu corpo! Não há nada que nós possamos fazer mais e...bem, temos problemas maiores!
- Do que você está falando Themba?
- É o Oliver...
- Oli?! O que aconteceu com o meu irmão Themba? Onde ele está? - perguntou Ethan apreensivo.
- Bem, ele foi atingido por Saulo assim que chegamos aqui, mas a Gabriela fugiu com ele consciente enquanto eu lutava.
- Para onde eles foram Themba?! Me diga!
- Eu não sei Ethan! - disse Themba triste - Desculpe-me, eu deveria protegê-lo, mas eu não consegui! Desculpe-me, eu estraguei tudo!
- Não meu amigo! Ouça, sou eu quem precisa pedir desculpas, eu só estou aflito que algo possa ter acontecido a ele, mas isso não é culpa sua! Na verdade você o salvou, pois poderia ter sido pior se o Saulo o tivesse atacado novamente! Então muito obrigado por isso! - disse Ethan, enquanto batia nas costas de Themba, em um gesto de gratidão. Depois disso, ele disse para os outros: - Ouçam, não vamos nos separar dessa vez! Vamos todos juntos procurar o Oli e a Gabi!

O grupo de elementais percorreu dois quarteirões pela W. Century Boulevard, que, devido à confusão causada por Saulo, estava vazia, e encontraram Gabriela e Oliver em uma esquina. Ao avistá-los, Ethan correu e se ajoelhou junto do irmão, dizendo:

- Oli! Irmãozinho, você está bem?
- Irmãozão... - disse Oliver com um tom de voz fraco - Eu acho que não estou no meu melhor momento - Todo o lado esquerdo de Oliver, onde o ataque de Saulo atingira, estava coberto de queimaduras muito graves.
- Eu não sabia o que fazer Ethan! Então apenas coloquei algumas ervas para aliviar a dor! Mas o efeito está passando e eu não sei como faremos para levar ele para um hospital!
- Você foi perfeita Gabi! Agora deixa comigo - disse Ethan, confortando Gabriela. Então, virou para Oliver e, olhando bem no fundo dos olhos do rapaz, disse: - Irmãozinho...eu acho que posso reverter isso, mas talvez doa um pouco, então eu quero que você aperte a minha mão quando sentir dor, mas me deixe terminar isso, tudo bem?
- Tudo bem...mas, eu queria que você soubesse que eu sinto muito e...
- Shh - disse Ethan, colocando o indicador nos lábios de Oliver - Eu sei, isso não importa agora! Deixe-me melhorar isso! - Ethan fez um gesto de mãos e uma fina chama envolveu o corpo de Oliver - Não se mexa! - os locais onde a chama tocou voltaram ao estado normal, deixando uma leve vermelhidão na pele do elemental do gelo.
- Irmãozão, você conseguiu! - disse Oliver, com a voz ainda bastante fraca, apertando a mão de Ethan.
- Sim Oli! Ainda bem que isso deu certo ou eu não sei o que eu faria! Mas eu estou bastante fraco e você precisa ir ao hospital para verificar se não houve nenhum dano mais sério!
- Não é necessário! - disse Oliver.
- Eu acho que é necessário Oliver, afinal você caiu, bateu a cabeça e ficou inconsciente!
- O que?! Eu não sabia disso! Agora que não tem discussão mesmo! Vamos logo!

Os elementais adentraram o hospital alegando terem sido feridos pelo homem que estava causando tumulto na cidade, o que foi um motivo bem aceito, dadas as atuais circunstâncias em que a cidade se encontrava.
A equipe do hospital fez alguns exames em Ethan e Oliver, os quais permaneceram em repouso, enquanto os outros precisaram ligar para os Fletcher, a fim de informar o que havia ocorrido com os dois rapazes e providenciar o pagamento das despesas do hospital. Os pais de Oliver ficaram muito aflitos e afirmaram que iriam pegar o próximo avião para os Estados Unidos. Enquanto isso, Ethan saiu do seu leito e caminhou até o de Oliver, então disse:



- E aí Oli, como você está se sentindo?
- Bem, eu acho... - respondeu Oliver com um meio sorriso - Eu sinto muito mesmo!
- Ah, qual é Oli! Esquece isso! Eu já esqueci...bem, eu não entendo porque você está agindo assim, mas eu não me importo, afinal ver você daquele jeito elimina qualquer mágoa que eu possa ter!
- Eu não quero que você se magoe comigo... - disse Oliver com a cabeça baixa - Mas não posso evitar de agir assim, eu não sei o que há comigo!
- Eu não estou Oli! Bem, eu fiquei depois que você deliberadamente se excluiu da minha companhia, mas como eu disse, isso não importa! Você pode estar passando por uma fase meio confusa, mas eu estou do seu lado para te apoiar, tudo bem? Sempre! Eu só não quero que você minta para mim ou esconda as coisas de mim! Você não precisa fazer isso!
- Eu sei...desculpa por isso também! Eu realmente não sei qual é o meu problema!
- Você não tem nenhum problema! Você é perfeito do jeito que é!
- Para...eu sei que você quer me animar, mas essa coisa com a Sophie é muito estranha e precisa parar, ela não me fez nada!
- Sophie? O que ela tem a ver com isso? - perguntou Ethan - Espera, foi por causa dela que você não quis vir comigo?
- Sim...
- Mas qual o problema dela vir conosco?
- Eu não sei Ethan, eu só não consigo suportar ver você juntos...sei lá, estou confuso.
- Então...você realmente estava com ciúmes dela no dia do seu aniversário?
- Não Ethan...não sei, talvez...essa é a explicação mais razoável até agora!
- Não há razões para ter ciúmes Oli! A Sophie e eu somos apenas amigos, ela não vai tomar o seu lugar!
- Como assim o meu lugar?
- Sabe, antes de morrer, o Saulo me disse uma coisa que eu acho que faz sentido! - disse Ethan olhando fixamente para o elemental do gelo - Eu preciso ser mais determinado - Ethan pôs as mãos na bochecha do rapaz e continuou: - Eu te amo Oli! - Então, Ethan se inclinou e beijou os lábios de Oliver.

Oliver não foi resistente ao beijo de Ethan, pois aquilo lhe causou uma sensação muito boa, a qual, momentaneamente, entorpeceu os seus sentidos e o seu pensamento. Porém, logo veio a lembrança dos anos nos quais os dois passaram cultivando uma relação de irmãos e uma sensação ruim tomou conta do rapaz, o qual, gentilmente, posicionou as mãos no peito de Ethan e o afastou, dizendo:


- Ethan... isso está errado! - Oliver não conseguia encará-lo.
- Eu... desculpa Oli... eu pensei que você sentia o mesmo... eu...
- Eu sinto! - Oliver ainda não se atrevia a olhar para Ethan - Eu simplesmente sinto o mesmo por você...não há dúvidas depois de hoje! Eu também te amo Ethan, tanto que eu nem sei dizer! - O rapaz tomou coragem, olhou para Ethan e, com um meio sorriso, continuou: - Mas as coisas não podem ser assim!
- O que?! - O rapaz tinha um sorriso no rosto antes de ouvir as últimas palavras e Oliver, o qual foi substituído por uma feição de espanto e confusão - Por que?
- Por que você é meu irmão Ethan! Você é o meu irmãozão lembra? O que os nossos pais vão achar disso? Isso não soa um pouco estranho para você?
- O que há de estranho nisso? Eu te amo e - Ethan se aproximou novamente e, sorrindo, tocou a face de Oliver - o melhor de tudo é que você me ama também!
- Isso não soa como um incesto para você?
- Oli, eu sempre vou enxergar os seus pais como os meus! Sempre! Mas vamos pensar um pouco, nós não somos irmãos de sangue! Você é o meu irmãozinho porque os seus pais me adotaram legalmente e de coração, mas além disso você sempre foi o meu melhor amigo! Não existe pessoa mais qualificada para se viver um grande amor do que o seu melhor amigo!
- Isso é muito lindo Ethan... - Oliver ainda estava com um meio sorriso no rosto - Mas eu prefiro que nós deixemos esse assunto como estava, por enquanto... eu preciso refletir sobre isso...
- Bem... se é o que você quer, eu posso compreender... mas pensa com cuidado sobre isso, porque eu realmente sinto algo muito forte por você, além de um sentimento fraternal!
- Eu também Ethan... eu só não posso lidar com isso agora, eu realmente preciso de um tempo!
- Você pode ter todo o tempo que quiser! Na verdade é até engraçado, porque, geralmente, quem precisa de um tempo para entender as coisas aqui sou eu! - Ethan riu e, finalmente, um sorriso irradiou pelo rosto de Oliver - Eu te espero pelo tempo que for preciso.
- Você não precisa fazer isso! Tem garotas e garotos caindo aos seus pés em todo lugar! A Sophie é um exemplo!
- Eu tenho uma coisa engraçada para te contar - disse Ethan com um sorriso maroto no rosto - Eu e a Sophie não passamos muito tempo juntos flertando, mas sim falando do quanto eu gosto de você!
- O que?! Como assim?
- Bem, ela me confessou que realmente estava afim de mim, mas ela notou que eu te olho diferente, segundo ela, então ela me perguntou se eu era gay e eu respondi que sim! Depois disso nós conversamos muito sobre o que eu venho sentindo por você!
- Mas como você sabe que é gay? Que eu saiba, você nunca teve nenhuma relação com qualquer pessoa!
- Ah, eu não preciso me relacionar com um monte de gente para saber que eu não gosto de garotas, afinal elas me cercavam o tempo todo na escola e eu nunca senti qualquer coisa por nenhuma delas! Quanto aos garotos, bem, digamos que alguns me chamavam a atenção!
- Mas...bem, você já ficou com algum deles?
- Ai meu Deus! - disse Ethan rindo - Você devia ver como é lindo quando está com ciúmes Oliver!
- Eu não estou com ciúmes! - protestou Oliver.
- Está escrito C-I-Ú-M-E-S - Ethan simulou a escrita das letras sobre a testa de Oliver - Além disso, eu te conheço muito bem, lembra?
- Como você me conhece tão bem?! Que coisa, eu nem posso esconder nada de você! - disse Oliver rindo.
- Ah, eu acho que a Sophie tem razão, eu te olho diferente mesmo e, por isso, eu acho que posso te enxergar mais profundamente do que as outras pessoas! Ela me disse uma vez que duas pessoas apaixonadas tem uma maneira diferente de se olhar, que ela viu isso em nós! Mesmo assim eu estava em dúvida se você era gay ou gostava de mim desse modo!
- Bem, eu sou gay, pelos mesmo motivos que você mencionou...bem, tirando a parte de pessoas caindo aos meus pés, porque esse não é o meu caso, já que eu não tenho tudo isso - disse Oliver apontando para Ethan e rindo - Eu simplesmente nunca me interessei por garotas e, bem, também comecei a notar alguns garotos interessantes na escola, então eu deduzi que era essa a minha orientação! Quanto a gostar de você... eu te adoro desde o momento em que você apareceu naquele lugar onde nós perdemos os nossos Imortais, porém, no último ano, eu venho sentindo algo diferente, que hoje eu percebi ser um outro tipo de amor... mas eu ainda preciso me acostumar a isso!
- Como eu disse, eu vou esperar você se acostumar o tempo que for preciso! Mas eu quero te pedir uma coisa antes e te dar esse tempo...
- O que é Ethan?
- Eu posso te beijar novamente?
- Não sei... eu acho que sim...
- Eu prometo que eu não vou pedir novamente até que você esteja mais seguro disso - Ethan repousou a mão direita na face de Oliver - Mas eu preciso sentir os teus lábios novamente - o rapaz pressionou delicadamente os seus lábios nos de Oliver, o qual retribuiu o beijo com a mesma delicadeza.


Os rapazes finalizaram o beijo sem pressa, então Ethan voltou para o seu leito, porém permaneceu intermitentemente ao lado de Oliver, conversando sobre muitas coisas, incluindo o sentimento mútuo entre eles. Horas depois, os pais deles entraram no quarto onde eles estavam, dizendo:

- Ethan! Você está bem meu filho? - disse a mãe abraçando, primeiramente, Ethan e depois, aproximando-se do leito de Oliver, continuou - E quanto a você Oliver? Como você está?
- Eu estou bem mãe, o Ethan já cuidou de tudo! - disse Oliver sorrindo e olhando para Ethan - Eu estou apenas esperando o resultando da ressonância magnética.
- Por que você foi submetido a esse exame meu filho? - perguntou o pai.
- Bem, eu...eu bati a minha cabeça e, por isso, acharam melhor fazer uma ressonância!
- Ai meu Deus Oliver! Como isso ocorreu? - indagou a mãe nervosa e chorando.
- Mãe, está tudo bem agora e, bem, eu acho melhor você não saber como as coisas ocorreram, porque isso vai te deixar mais preocupada! Mas está tudo bem! - Oliver segurou a mão da mãe e a beijou.
- Desculpa por ter deixado isso acontecer mãe, mas nós acabamos nos separando... - lamentou-se Ethan.
- Você não tem nada pelo que se desculpar meu filho - disse o pai, com firmeza - O Oliver está vivo e aparentemente sem qualquer dano grave!
- O Ethan literalmente me salvou pai - disse Oliver - Como eu disse, vou poupá-los dos detalhes, mas ele me salvou!
- Como eu esperava que ele fizesse! - disse a mãe - Você é um ótimo garoto Ethan! Eu tenho orgulho em lhe chamar de filho!
- Eu também Ethan! - disse o pai abraçando o rapaz.
- Obrigado pai, mãe! - respondeu Ethan com as bochechas levemente coradas - Eu também tenho orgulho de os chamar de pais!- Isso é bom de ouvir meu filho - respondeu a mãe - Mas, onde estão os outros? Eles também estão machucados ou fazendo exames?
- Não, eles devem estar na cafeteria, pois estavam todos famintos!

- Ok, então eu vou olhar como eles estão e volto em seguida, tudo bem querida? - disse o pai.
- Claro, eu ficarei aqui com o Oliver nesse caso.
- Eu vou lhe mostrar onde é a cafeteria pai, eu volto depois Oli!
- Tudo bem! Até mais.

Enquanto caminhavam pelos corredores do hospital, o pai disse para Ethan:



- Vocês realmente desenvolveram uma boa relação, certo Ethan?
- Ah...sim pai, eu realmente gosto muito do Oliver!
- Isso é muito bom! O Oliver realmente se tornou uma pessoa totalmente diferente depois que você chegou Ethan, ele adora ter você como irmão! Obrigado por cuidar dele por nós!
- Não há o que agradecer! Eu ia me odiar cada dia da minha vida se algo acontecesse com ele!
- Ethan... - o pai segurou o ombro do rapaz e, parado no corredor, perguntou: - Você pode me responder a pergunta que eu vou fazer com toda sinceridade?
- Claro pai, pode perguntar - respondeu Ethan apreensivo.
- Você está apaixonado pelo Oliver?
- Isso é assim tão evidente? - respondeu Ethan com firmeza.
- Bem, não exatamente, porém eu os tenho observado nos últimos dias e, bem, o Oliver tem conversado comigo.
- Sobre o que ele falou? Bem, ele contou que é gay? E esse sentimento entre nós não o desaponta pai?
- Bem, Oliver nos contou que era gay quando tinha 16 anos, isso nunca foi um problema! Porém, ele me contou que estava confuso sobre algo nos últimos tempos e revelou que sentia algo diferente por você! Isso, absolutamente, não me desaponta Ethan, porém eu penso que vocês devem ser cuidadosos com relação a isso!
- Espera pai, então essa é a sua benção? Eu tenho a sua benção para ter esse tipo de relação com o Oliver?
- Claro que tem Ethan! Se essa for a vontade de Oliver é claro! Bem, eu confesso que saber que você é gay me surpreendeu! Não é um problema, mas com certeza me surpreendeu!
- Muito obrigado pai! - disse Ethan abraçando-o - Bem, o Oliver ainda está confuso, mas acho que ter a sua benção pode tornar as coisas mais fáceis para ele.
- Mas então vocês já conversaram sobre isso?
- Sim! Bem, eu meio que me declarei para ele há algumas horas atrás, mas ele disse que ainda está confuso sobre isso!
- Bem, eu não sabia que as coisas estavam avançando desse jeito! Mas, de qualquer forma, pode contar com o meu apoio e o da sua mãe, pois eu não poderia pensar em alguém melhor para cuidar do meu filho do que você Ethan! Só te peço para que respeite a vontade dele e... não brinque com o coração do meu filho!
- Eu jamais faria isso pai! Muito obrigado pelo seu apoio!
- Pode contar comigo sempre! Agora vamos encontrar os meus outros "filhos"! - disse o pai rindo.

Ethan levou o pai até a cafeteria, onde os demais elementais estavam reunidos em uma mesa. Quando viu os dois chegarem, Gabriela prontamente disse:


- Boa noite tio Charlie! Como você está?
- Eu estou bem Gabriela, e quanto a vocês pessoal, estão todos bem? Não hesitem em falar se vocês precisarem de qualquer coisa!
- Nós estamos bem tio, apenas um pouco cansados talvez.
- Claro, vocês devem estar exaustos realmente! Vamos, eu vou levar vocês até algum hotel aqui na cidade e depois eu volto para ver como o Oliver está!
- Então vamos! Eu preciso de um banho e trocar essas roupas!
- Por que não disse antes? - exclamou Sophie - Eu poderia providenciar água, sem problemas!
- Sophie, eu preciso de um banho para relaxar e não para morrer afogada! - respondeu Alba rindo.
- Parem de dizer besteiras vocês duas e vamos logo para o hotel! Eu quero tomar um banho, trocar de roupa e voltar assim que possível!
- Sim senhor! - disse Themba em tom brincalhão, simulando um sinal de continência.
- Cala a boca Themba! - Ethan envolveu o pescoço do rapaz com um braço e os dois saíram andando - Vamos logo!

O grupo de elementais seguiram com Charlie para um hotel relativamente próximo ao hospital, onde eles foram alojados em diferentes quartos. Depois de tomar banho, deitar um pouco e refletir sobre os fatos ocorridos desde que eles tinham deixado a Inglaterra, Ethan saiu do seu quarto, o qual ele estava dividindo com Themba, e bateu à porta do quarto de Sophie. Quando esta abriu a porta, ele disse:


- Você tem um tempo para conversar agora?
- Claro, entra aí! - respondeu Sophie, afastando-se do caminho e fazendo menção para que Ethan entrasse - A Alba está no quarto do Marco, eu acho que aqueles dois ainda vão ter alguma coisa!
- Sim, é possível! - disse Ethan - É meio que sobre isso que eu quero falar com você!

Ethan contou a ela o que tinha ocorrido no leito de Oliver e sobre a conversa que ele teve com Charlie. Ao fim de tudo, Sophie exclamou:

- Isso é perfeito Ethan! Vocês têm tudo a favor de vocês para ficarem juntos!
- Eu sei! Mas ele não quer nada ainda, como eu te disse! Será que ele realmente gosta de mim? ou estava sendo apenas gentil?
- Eu já te disse um milhão de vezes! Ele te ama do mesmo jeito que você o ama! Ele só precisa de um tempo eu acho!
- Sim, talvez seja isso mesmo! Desculpa, mas é que eu estou tão excitado com a ideia de que ele pode sentir o mesmo por mim, que a minha cabeça está a mil por hora! O que você acha dessa coisa sobre incesto que ele disse?
- Bem, nós sabemos que não é e nem nunca vai ser de fato um incesto, mas eu entendo o que ele quer dizer! Olha Ethan, são seis anos que vocês se tratam como irmãos e ele internalizou essa imagem sobre você! No coração dele, vocês são de fato irmãos e talvez, para ele, isso seja um incesto!
- Nossa, isso é tão complicado! Porque eu sempre o considerei meu irmãozinho também, mas isso não soa como incesto para mim!
- Ethan, tenha paciência! Ele vai se acostumar a essa ideia em breve! Como eu disse, vocês têm tudo, até a provação dos pais de vocês, para ficarem juntos. Espero que dê certo!
- Eu vou ser paciente Sophie, porque eu prometi isso a ele Sophie! Mas eu tenho que desabafar que eu tenho medo de saber que ele não quer nada comigo! Bem, de qualquer forma, muito obrigado Sophie, você tem me ajudado muito! Agora eu vou até o hospital, ver como ele está!
- Você acha uma boa ideia? Será que ele não precisa de um tempo sozinho?
- Talvez Sophie, mas, se eu me afastasse dele agora, eu só iria reforçar a ideia de que o fato de eu gostar dele é algo negativo para a nossa relação! O Ethan, irmão dele, nunca o deixaria sozinho em um leito de hospital!


Assim, Ethan saiu do hotel decidido a ficar ao lado de Oliver no hospital. Quando chegou ao local, Ethan teve um mal pressentimento e correu até o quarto de Oliver e, ao alcançá-lo, encontrou a mãe caída no chão e Nádia, a elemental do gelo que ele encontrara há seis anos, em uma luta com Oliver, então ele gritou:

- Deixa ele em paz! - uma barreira de fogo se ergueu entre Oliver e Nádia.
- Ah, então você veio ajudar o seu amiguinho?! - respondeu Nádia - Como eu previa! Agora eu posso acabar com você! - ela levantou a mão direita e, girando o dedo indicador, disse: смертельная буря! - Flocos de neve começaram a circular pela sala e, por mais que alguns se extinguissem na barreira erguida por Ethan, ao acertarem os rapazes causavam pequenos cortes.
- Essa neve está nos ferindo Ethan! - Oliver também fez movimento com ambas as mãos e um escudo de neve os cobriu. Assim, enquanto Ethan protegia os lados com uma barreira de fogo, Oliver protegia a parte de cima com um escudo de gelo.
- Belo trabalho em conjunto! Mas isso nunca seria suficiente contra mim! Para a sorte de vocês, eu só quero dar um aviso: Desistam de encontrar a lenda do homem de fogo! Ou eu voltarei e aí sim vocês estarão mortos! - dito isso, ela se esvaiu e deixou para trás flocos de neve.
- Oli, você está bem? - disse Ethan abraçando Oliver e extinguindo a barreira de fogo.
- Sim Ethan, eu só estou um pouco cansado! Mas verifica a nossa mãe, por favor! Essa louca chegou aqui e a jogou no chão, então ela desmaiou.

A mãe deles foi levada para outro quarto e Charlie foi acionado para vir até o hospital. Enquanto isso, Oliver convidou Ethan para conversar:

- Ethan... nós precisamos discutir uma coisa...
- O que foi Oli?
- Nós vamos atrás da lenda do homem de fogo de qualquer maneira, certo?
- Claro! Essa Nádia não me assusta!
- Então... eu preciso que, enquanto nós estivermos nessa viagem, você esqueça o que aconteceu entre a gente e me deixe mais livre para correr riscos, por só assim eu vou poder ser útil!
- O que você quer dizer Oli?
- Eu quero dizer que, até nós voltarmos dessa viagem, nós não vemos discutir esse assunto! Você precisa se concentrar nessa viagem, pois isso pode ser a chave para nós libertarmos os nossos Imortais! Pare de ficar cem por cento do tempo se preocupando comigo e se concentre nisso! Eu sou forte o suficiente para cuidar de mim!

- Mas Oli, eu preciso te proteger!
- Eu aprecio muito que você queira fazer isso, mas, como eu disse, você precisa se concentrar nessa tarefa! Essa é a minha condição, caso contrário, eu não poderei ir com você!
- Eu quero que você vá comigo!
- Então me prometa que você vai me deixar correr riscos se for necessário!
- Tudo bem! Mas, eu quero que você vá comigo!
- Sendo assim, eu vou estar lá ao seu lado! Nós vamos, com certeza, descobrir mais sobre essa lenda!
- É assim que se fala... irmãozinho! - finalizou Ethan com um sorriso e um olhar resignado.

A partir daquele momento, a nova tarefa dos elementais seria encontrar o local onde as pessoas poderiam contar a eles mais sobre a lenda do homem de fogo. Enquanto isso, o possível romance entre Oliver e Ethan deveria esperar, embora ambos nutrissem uma grande paixão um pelo outro.
Durante as duas semanas seguintes, os elementais desempenharam uma pesquisa minuciosa, a fim de descobrir algo sobre a cidade natal de Saulo ou algo sobre a lenda do homem de fogo, embora não tenham tido sucesso em ambos os assuntos, já que não haviam dados na internet sobre tal lenda e apenas o primeiro nome de Saulo não os levou muito longe em qualquer banco de dados. Porém, para felicidade dos jovens, Alba encontrou uma notícia que os ajudaria bastante:

- Olhem pessoal! - disse a jovem apontando para a tela do seu notebook - no site da BBC tem uma nota sobre o que ocorreu em Los Angeles! E aqui eles dizem que o corpo do homem que foi encontrado morto foi identificado ontem! Deve ser o Saulo!
- Deixe-me ver Alba! - disse Oliver, virando a tela do notebook para si e percorrendo freneticamente as frases com os olhos - Aqui! Aqui diz que o nome dele era Saulo González, e ele, aparentemente, era espanhol... - ele continuou a examinar o texto - A avó reconheceu o corpo e depois retornou para Puente Viesgo, no norte da Espanha! Gente, nós precisamos ir até lá!
- Claro! Vamos logo! - disse Sophie - Essa mulher deve saber alguma coisa sobre a lenda!
- Todos querem ir nessa nova viagem?
- Sim! 
- Sim!
- Claro!
- Sim!
- Nesse caso, todos iremos para a Espanha!
- Espanha? - disse Charlie - Fazer o que?
- Nós acabamos de encontrar uma pista sobre o local onde Saulo, o homem que fez aquele estrago em Los Angeles, morava!
- Ah... bem, isso é bom! Mas vocês já falaram com a Chloe? Você sabe que a sua mãe vai ficar nervosa com isso Oliver!
- Eu sei pai - respondeu Oliver - Mas nós acabamos de decidir, então ainda não contamos, mas farei isso daqui a pouco, tudo bem?
- Claro! Espero que tudo ocorra bem meu filho! - disse Charlie, abraçando Oliver, o qual ficou repentinamente corado.
- Vocês dois são muito... peculiares... - disse Ethan.
- Eu sei que você também quer um abraço! Venha aqui - disse Charlie - Aliás, venham todos aqui! - Todos ficaram momentaneamente sem jeito, porém obedeceram e, quando estavam todos abraçados, o pai de Oliver continuou: - Eu desejo que essa viagem traga as respostas que vocês têm procurado, porém eu peço que todos tenham cuidado, porque eu me importo com cada um de vocês e não quero que nada de ruim aconteça a ninguém! Sejam fortes e confiem nos poderes de vocês!

Dessa forma, a nova aventura dos elementais começava. Antes de tudo, Ethan e Oliver conversaram com Chloe, a mãe de Oliver, e a confortaram quando ela teve o seu esperado momento de aflição, o qual logo cessou através de uma torrente de conselhos e avisos sobre a viagem. Depois disso, os rapazes e moças arrumaram novamente as malas para a viagem e partiram em direção ao "Aeroporto Internacional de Birminggham-Shuttlesworth", onde eles se despediram dos pais de Oliver, que estavam bastante emocionados, e partiram em direção a Madrid. Ao chegarem ao "Aeroporto de Madrid-Barajas", Oliver disse:

- Eu não sei vocês, mas eu preciso muito encontrar algum lugar para comer comida de verdade!
- Eu também irmãozinho! Urgentemente!
- Eu não estou com muita fome, então posso verificar a situação do aluguel de um carro que caiba todos nós!
- Eu vou com você Marco, eu também não estou com fome!
- Eu preciso comprar algumas coisas, então encontro com vocês depois!
- Quer ajuda Sophie?
- Ah, claro Alba!
- Quanto a mim, eu não estou me sentindo muito bem... então, eu vou ao banheiro e encontro com você depois, tudo bem?
- Bem, eu vou com vocês então!

Assim, o grupo de elementais se separou. Ethan, Oliver e Gabriela foram para um restaurante dentro do aeroporto, porém, havia um clima estranho entre os dois rapazes, o que foi percebido por Gabriela, a qual exclamou:

- Ah, qual é! Por que vocês fizeram isso então?
- Como assim Gabi! Do que você está falando?
- Olha só, todos já sabem que vocês ficaram! Eu ia esperar até vocês me contarem, mas o clima tá muito chato! O que ocorreu? Por que não ficam juntos?
- Bem, é complicado Gabi! Nós temos nossos motivos! Mas como todos sabem?
- Ah, você sabe que naquela casa é difícil realmente esconder algo dos demais! Mas isso não importa, eu já sei, e quero ouvir os seus motivos, para poder entende melhor essa história!
- Você não acha isso estranho Gabi? Nós somos irmãos!
- Todos nós somos irmãos Oliver! É a mesma coisa o caso do Marco e da Alba!
- Espera, então está confirmado mesmo?
- Confirmadíssimo! Eu mesma os vi! - disse Gabriela com firmeza - Mas voltando para vocês, eu não acho estranho Oliver! Bem, eu não sabia que vocês eram gays, mas para mim isso pouco importa!
- Mas nós não somos como eles Gabi, o Ethan é legalmente meu irmão e ele está na minha vida muito antes de nós começarmos a reunir os elementais como um grupo! Mesmo que eu considere, de fato, todos vocês meus irmãos, bem - Oliver olhou para Ethan por alguns instantes, depois desviou o olhar - Com ele é diferente... eu me sinto como se estivesse praticando incesto!
- Incesto?! - repetiu Gabriela surpresa - Claro que não Oliver!
- Gabi - disse Ethan repousando a mão no ombro dela - Desista... nós já conversamos sobre isso e o Oli precisa de um tempo para processar as coisas... - O rapaz olhou para Oliver, o qual não retribuiu o olhar.
- Bem, eu só queria compreender vocês e talvez tentar ajudar... de qualquer modo, vocês sabem que podem contar comigo para qualquer coisa, certo?!
- É claro Gabi! Nós sabemos disso! - Ressalvou Ethan - Agora me conta, o que as pessoas disseram sobre isso?
- Nada Ethan, eles até, surpreendentemente, disseram que isso fazia sentido, afinal vocês dois se completam e se gostam tanto que só podiam ser um casal! - Gabriela olhou para Oliver, que parecia desconfortável, então acrescentou: - Mas isso pode ser pelo fato de vocês viverem juntos é claro...
- Eu não entendo... Ninguém vê isso do modo como eu vejo... Mas parece tão óbvio...
- Não importa Oli, nós já conversamos sobre isso! Você não precisa...

A conversa foi interrompida por uma repentina ventania gelada que se alastrou por toda a área de restaurantes e lanchonetes do aeroporto. Antes que os jovens pudessem fazer qualquer coisa, eles foram atingidos nas pernas e braços por porções de neve que rapidamente se solidificaram, prendendo-os. Depois disso, uma voz conhecida reverberou pelo local:

- Eu disse para esquecerem essa história! - Disse Nádia - Agora vocês sofrerão as consequências!
- Já chega! - Bradou Gabriela, enquanto uma série de ramos envolveram o seu corpo e libertaram os seus braços e pernas das "algemas" de Nádia - Quem você pensa que é para vir aqui e destruir esse lugar dessa maneira?! - Enquanto isso, os ramos avançaram em direção a Nádia, que foi envolta até a linha dos ombros.
- Muito bem Gabi! - disse Ethan, descongelando os pedaços de gelo - Agora você vai ver o verdadeiro poder dos novos elementais! - Nesse momento, chamas atingiram Nádia, que ainda estava presa pelos ramos de Gabriela.
- Eu não preciso das minhas mãos para acabar com vocês - disse Nádia, a qual estava caída no chão, ainda presa em ramos e tonta devido ao ataque de Gabriela e Ethan - Ледяной шторм! - Uma tempestade ainda mais intensa se alastrou pelo espaço.
- Nem adianta tentar Nádia! - disse Oliver, que também havia se libertado e agora transformava a tempestade em pequenos pedaços de gelo, os quais ele estava atirando em Nádia - Continuem pessoal! Vamos acabar com ela!
- Com certeza! Vamos ver o que você acha de ficar com a boca fechada então! - disse Gabriela, apontando para Nádia, cujo corpo fora envolvido até a linha do nariz pelos ramos, os quais estava apertando cada vez mais o corpo de Nádia.
- Um pouco de calor também vai ajudar! - disse Ethan, erguendo um círculo de fogo ao redor de Nádia, que lutava contra os ramos de Gabriela e tentava se reerguer.

Durante algum tempo, a elemental lutou contra os ataques dos três outros elementais, porém, ela estava ficando cada vez mais fraca. Enquanto isso, Alba e Sophie estavam fazendo compras em uma loja de souvenires, quando foram surpreendidas por uma forte ventania, que bagunçou a loja e as atirou no chão. Posteriormente, uma voz feminina disse:

- Eu achei que a nova elemental fosse fraca, mas não tanto!
- Obrigada! - disse Alba rindo.
- Por que você está rindo garota? - perguntou a elemental confusa.
- Por que eu estava querendo uma briga com um bom adversário há muito tempo! - Nesse momento uma rajada de vento começou a circulas ao redor de Alba e foi se fortalecendo, até se tornar um mini tornado, o qual partiu em direção à outra elemental, que foi atingida e levitada no ar pela força do ataque - Sophie, você está bem?
- Estou sim Alba, eu não sei quem ela é, mas ninguém estraga as minhas compras dessa forma! - a elemental materializou uma grande quantidade de água ao redor da outra elemental do ar, a qual tentava contra-atacar, porém, foi impedida quando a água e envolveu em uma cúpula, na qual ela não podia respirar e nem atacar.

A elemental do ar ainda tentava contra-atacar, porém rapidamente definhou diante da prisão em que Sophia a havia colocado. Em outro ponto do aeroporto, Marco e Cho estavam finalizando o contrato com a empresa de aluguel de carros, quando um raio atingiu Marco no peito e o atirou ao chão, inconsciente. Enquanto isso, Cho havia rapidamente erguido uma barreira de energia elétrica ao seu redor e foi prestar auxílio ao amigo:

- Marco! Você está bem?!
- Ele não precisa responder querida - disse uma voz masculina - Nós dois sabemos que ele não vai ficar bem por algum tempo!
- Quem é você? - disse Cho, levantando-se e mantendo a barreira elétrica ao seu redor!
- Ninguém que você realmente seja digna de conhecer o nome! - disse o rapaz, então levantando uma das mãos, disse: - elektrik pedhang! - assim, espada formada inteiramente de energia foi em direção a Cho.
- Não preciso saber o seu nome - a elemental materializou um escudo, também inteiramente formado de energia, para defender o ataque - Eu sei reconhecer um louco quando vejo um! Agora é a minha vez! - Ela apontou uma das mãos para o outro elemental e uma esfera de energia se materializou a partir de cada dedo, então as cinco esferas orbitaram ao redor dele e depois se interligaram através de linhas de energia, formando uma figura de estrela, que ia se estreitando cada vez mais ao redor do rapaz.
- Eu tenho que reconhecer que esse é um bom truque, mas isso requer muita energia e você não vai conseguir suportar por muito tempo!
- Ela não precisa, porque ela tem amigos para ajudá-la! - Themba atirou um pedaço grande de rocha no rapaz, que foi atirado em direção a uma parede, ainda envolto pela "prisão-estrela" de Cho.
- Obrigado Themba! Ajuda é sempre bem-vinda! Mas como você sabia que nós estávamos aqui?
- Eu estava a caminho do restaurante, mas aí eu ouvi pessoas correndo e gritando vindo daqui, então eu lembrei que vocês mencionaram que iriam resolver a questão do aluguel do carro, por isso eu vim ver se vocês precisavam de ajuda.
- Muito obrigada! Eu estava indo bem, eu acho, mas realmente estou ficando cansada! Além disso, o Marco está desmaiado e eu estou preocupada com ele!
- Vá verificar como ele está, eu posso segurá-lo por algum tempo! - Enquanto conversavam, Themba havia materializado uma caixa de pedra, onde o outro elemental estava preso e gritava palavras em um idioma que o rapaz não conhecia.
- Tudo bem! - Cho correu até Marco, o qual tinha acabado de se levantar e estava aparentemente tonto - Marco, como você está se sentindo?
- Muito mal! O que aconteceu?
- Tem um cara aqui com poderes elétricos, que te atingiu com um raio e você desmaiou!
- Isso não vai ficar assim! Cho, você pode me ajudar e me levantar?!
- Claro! Vem aqui! - disse Cho, oferecendo o braço ao rapaz, que se levantou e se apoiou no ombro dela.
- Desculpa, eu acho que ainda estou bastante fraco...
- Não tem problema! Mas o que você quer fazer?
- Eu quero perguntar a ele o porquê de tudo isso!
- Mas como você vai fazer isso? - disse Cho enquanto andava devagar com Marco apoiado em seu ombro.
- Assim! - de repente, duas cobras escorregaram pelo braço do rapaz, o que assustou Cho - Calma, elas só atacam quem eu quero!
- Como está Marco? - disse Themba quando os dois elementais pararam ao seu lado.
- Eu estou bem Themba, obrigado! - respondeu Marco - Mas eu preciso de um favor, faça um buraco na sua caixa para que as minhas meninas possam entrar - disse ele apontando para as duas cobras.
- Claro! - respondeu Themba, fazendo uma pequena abertura na parte de baixo da sua caixa de pedra, pela qual as cobras entraram.
- Ei, o que é isso?! - gritou o outro elemental da eletricidade algum tempo depois.
- Essas são duas das mais venenosas cobras do mundo - respondeu Marco - Não adiante usar os seus poderes para matá-las, porque eu posso trazê-las de volta rapidamente! Eu também não ofereceria muito resistência, porque a Mamba Negra, que está do seu lado direito é bastante temperamental e pode ficar bastante agressiva, e a Taipan, que está do seu lado esquerdo, pode paralisar os seus vasos sanguíneos em questão de segundos ao meu comando!
- Mas o que você quer?
- Eu quero que você me diga por que estava nos atacando?!
- Eu não posso dizer, pois a Nádia me mataria!
- Eu não sei quem é essa e não me interessa! Eu vou te dar dois minutos para decidir se você quer morrer aqui pelas presas das minhas meninas ou se você quer me dizer a verdade e tentar a sorte aí com essa tal de Nádia!
- Mandou bem Marco! - disse Cho.
- O cara tentou me matar! Inadmissível! - respondeu Marco.

O outro elemental da eletricidade, felizmente, decidiu compartilhar com eles que Nádia havia organizado um grupo para impedi-los de chegar ao local onde eles teriam conhecimento dos detalhes sobre a lenda do homem de fogo, pois eles, aparentemente, descobririam fatos que os ajudariam a aumentar os seus poderes. Depois de coletar a informação, Marco nocauteou o outro elemental com um soco e seguiu com Cho e Themba para o restaurante, onde eles encontraram Gabriela ao lado do corpo de uma mulher, que estava inconsciente:

- O que aconteceu aqui Gabriela?
- Nós fomos atacados por ela! Mas agora está tudo bem! - respondeu Gabriela - E quanto a você, porque estás com as roupas queimadas e mancando?
- Nós também fomos atacados, mas agora está tudo acabado também!
- Espera, então é melhor nós irmos ver como estão Alba e Sophie, pois elas podem ter sido atacadas também!
- Você tem razão, vamos lá!

Os elementais encontraram Sophie e Alba no meio do caminho, ambas com os cabelos e roupas desarrumados e molhados. Assim, Gabriela disse:

- Deixe-me adivinhar... Vocês foram atacadas!
- Sim! Mas agora está acabado! Vamos sair desse lugar!

Os rapazes e moças finalizaram a documentação para alugar uma mini van e partiram em direção à cidade onde Saulo nascera. Devido à publicidade causada pelo aparecimento da notícia em diversos jornais, não foi difícil encontrar a casa da avó do rapaz. Com muito cuidado, eles bateram à porta dela, a qual foi aberta por uma mulher aparentando ter mais de oitenta anos, a qual disse:

- Eu estava esperando por vocês! Entrem! - Não havia qualquer sinal de satisfação ou entusiasmo na voz dela, mas eles entraram mesmo assim, pois o fato dela querer falar com eles já era um obstáculo a menos no caminho deles.
- Como a senhora sabia que nós viríamos? - perguntou Ethan, depois de sentar em um sofá, conforme a senhora havia permitido.
- Por que aquela moça impertinente e autoritária com quem o meu neto andava veio aqui há alguns dias e me disse que um grupo viria aqui para me fazer perguntas, as quais eu não deveria responder.
- Mas então por que a senhora nos deixou entrar?
- Porque ela não manda em mim, meu jovem! Além disso, o meu neto me pediu, antes de viajar para Los Angeles, que se vocês conseguissem chegar aqui, então eu deveria lhes contar tudo o que eu sei e lhes entregar isto - ela estendeu um pedaço de papel com um mapa desenhado nele.
- Então a senhora vai nos contar tudo o que sabe?
- Sim, mas depois disso que quero que vocês saiam por aquela porta e nunca mais voltem! O meu neto não merece que eu faça isso por ele, porque desde que ele se tornou o que vocês aparentemente são agora, somente problemas apareceram em nossas vidas! - disse a senhora, em tom firme.

Dessa forma, os elementais haviam atingido o momento em que, finalmente, a lenda do homem de fogo seria revelada em todos os detalhes que Saulo não lhes contou no dia de sua morte em Los Angeles. Isso talvez fosse mudar a situação em que eles se encontravam e, segundo o elemental da eletricidade derrotado em Madrid, possivelmente poderia fazê-los mais fortes.
A avó de Saulo compartilhou com os elementais a seguinte história:

- Este mapa vai guiar vocês ao longo de uma caverna situada a alguns quilômetros dessa cidade. Durante muito tempo as pessoas desse local tiveram medo de chegar perto desse local, por causa das histórias sobre uma criatura de fogo que devoraria qualquer pessoa que se aproximasse da caverna. Besteira! Eu estive lá quando era uma pequena garotinha e explorei o local. Nada aconteceu! Além disso, alguns cientistas também exploraram a caverna recentemente e nada lhes aconteceu. Porém, de fato, o meu neto me disse que algo aconteceu quando ele e algumas das aberrações que ele chamava de amigos entraram lá. Segundo ele, o local aparentemente reage somente a aberrações como vocês, e pode de fato ser muito perigoso! O meu neto chegou aqui com feridas, escoriações e queimaduras que só são vistas em guerras. É claro que ele se recuperou, como sempre, mas isso levou mais tempo do que o normal e alguns dos amigos dele não retornaram de lá.
- Mas o que aconteceu?
- Não me aborreça com as suas perguntas. Isso é tudo que eu sei! - disse a senhora impacientemente - Aqui está o mapa! Agora saiam da minha casa!

Os elementais saíram da casa da avó de Saulo confusos, porém decididos a encontrar o local referido no mapa como "Monte Castillo". Todos pareciam um pouco desconfortáveis depois do que a senhora havia dito, porém Ethan tentou animar os amigos sobre a missão:

- Vamos lá pessoal, nós estamos tão perto de desvendar o mistério dessa tal lenda sobre o homem de fogo!
- O Ethan tem razão! Nós podemos fazer isso e enfrentar quaisquer que sejam os possíveis perigos que nos aguardam dentro da caverna!

Ainda que receosos, os elementais concordaram em seguir a jornada para o Monte Castilho. Desse modo, eles voltaram para a mini van e seguiram o caminho indicado no GPS para chegar até a tão aguardada caverna. Porém, depois de 10 minutos de viagem, o carro foi inesperadamente atingido, então capotou e, finalmente, permaneceu imóvel na beira da estrada. Quando Ethan abriu os olhos, ele escutou uma voz conhecida:

- Eles chegaram muito longe! Nós precisamos eliminá-los agora!

O rapaz tentou, discretamente olhar ao redor, pretendendo encontrar os seus amigos. Porém, o rapaz viu que o carro estava a alguns metros de distância de onde ele estava e Oliver estava inconsciente ao seu lado, além disso, a cabeça e o corpo de Ethan doíam muito, então ele não conseguiu realizar muito movimentos para encontrar o outros elementais, de modo que ele apenas permaneceu de olhos fechados e pensou no seu próximo movimento. Nádia, a quem pertencia a voz que ele conhecia tão bem, estava pretendendo matar ele e seus amigos! Ele não poderia deixar aquilo acontecer, então ele tomou uma medida desesperada:

- Se alguém vai morrer hoje, será você Nádia! - disse o rapaz enquanto rapidamente se levantava e, com corpo totalmente em chamas, corria em direção à elemental do gelo, a qual foi surpreendida quando Ethan a agarrou firmemente.
- O que você está fazendo?! Você é louco? O seu poder está consumindo o seu corpo! Você vai morrer desse jeito idiota! - disse Nádia, tentando contrapor as chamas de Ethan com neve, mas sem sucesso.
- Eu sei... mas você vai morrer comigo! Eu sei que, por ser a elemental do gelo, o seu corpo é sensível aos meus poderes! Principalmente quando eu estou usando todo o poder com o qual Flamus me abençoou!
- Ethan! - gritou Oliver, ensanguentado, cheio de escoriações e com o braço direito em um ângulo estranho, o que indicava uma possível fratura ou deslocamento - O que você está fazendo?
- Oli! Você... está vivo! - exclamou Ethan, com um grande sorriso no rosto - Desculpa, eu preciso fazer isso! Nós estamos fracos demais e eu preciso garantir que essa louca nos deixe em paz!
- Não Ethan! A gente precisa de você!... Eu preciso de você!
- Escuta o garoto! - disse Nádia, já bastante debilitada devido à intensidade das chamas emanando de Ethan.
- Mas eu preciso! - disse Ethan, olhando para Oliver, com lágrimas escorrendo em sua face - Oli, eu te amo!
- Eu também te amo Ethan! - disse Oliver, o qual também estava chorando - Escuta, você não precisa fazer isso sozinho! Deixe-me lhe ajudar!
- Como?!
- Apenas confie em mim! Diminua a intensidade dos seus poderes e se cure das queimaduras! Eu posso lidar com ela!
- Tudo bem! - respondeu Ethan, diminuindo as chamas em seu corpo, ao mesmo tempo em que Oliver prendeu Nádia em um sólido bloco de gelo, no qual ela permaneceu imóvel, como uma estátua.
- Eu não sei quanto tempo posso aguentar, mas acho que será suficiente para que você descanse! Então nós poderemos resolver isso juntos! Tudo bem?
- Sim! Obrigado Oli! - disse Ethan, com um meio sorriso no rosto. O belo sorriso do rapaz contrastava com as enormes queimaduras em seu corpo, as quais ele estava tentando, com muito esforço, curar.
- Não adianta tentar! - disse Oliver, olhando para Nádia, que tentava se movimentar dentro do bloco de gelo - Eu posso estar fraco, mas você está mais fraca do que eu!
- Solta ela! - disse o elemental da eletricidade, o qual lançou um raio em Oliver, que foi jogado alguns metros para trás.
- Deixe ele em paz! - gritou Oliver, lançando uma rajada de fogo em direção ao adversário.
- Deixa ele comigo Ethan! - disse Themba, envolvendo o elemental da eletricidade em uma caixa de pedra - Você já fez o bastante! - O rapaz tocou no ombro do amigo e sorriu. Apesar de fraco e com vários arranhões pelo corpo, Themba parecia bem melhor do que os dois rapazes - Oliver, você consegue segurar essa mulher um pouco mais? Os outros estão vindo em breve!
- Eu acho que sim - respondeu Oliver, levantando-se e reforçando o bloco de gelo, o qual já estava se decompondo e libertando Nádia - Ela não vai a lugar algum! Mas onde estão os outros?
- Eu não sei o porquê, mas apenas você e o Ethan foram trazidos para cá - respondeu Themba - Os outros estão próximos do carro, lutando contra uma outra mulher. Esse lunático estava com ela, porém ele viu o que estava acontecendo aqui e correu para ajudar! Bem, vocês também têm amigos, então eu vim dar reforço! Embora vocês já tivessem tudo sob controle aqui!

Aproximadamente, meia hora se passou desde a intervenção de Themba na luta de Ethan e Oliver contra Nádia. A elemental do gelo ainda tentava lutar contra Oliver, porém ela estava muito debilitada devido ao ataque de Ethan. No entanto, Oliver também estava debilitado e queimaduras começaram a aparecer em seus braços, ao que ele reagiu:

- Themba! Eu acho que não consigo mais segurá-la!
- Você não precisa mais Oli! - disse Ethan, o qual estava curando as suas lesões enquanto os outros elementais usavam seus poderes para imobilizar Nádia e o elemental da eletricidade - Deixa comigo!
- Obrigado Ethan! - respondeu Oliver ao cessar o reforço ao bloco de gelo que prendia Nádia, ao mesmo tempo em que Ethan conjurava chamas ao redor da elemental do gelo.
- Eu provavelmente não posso segurá-la por muito mais tempo também, mas eu acho que sei o que eu preciso fazer! Dessa vez sem tentar me matar ao longo do caminho! - O rapaz restringiu as suas chamas para a face de Nádia, as quais a envolveram como um capacete. Além disso, ele conjurou chamas para ambas as mãos dela. Desse modo, Nádia não conseguia respirar ou conjurar qualquer poder por meio de gestos ou fala - Eu sei que isso é horrível, mas eu não posso deixar você machucar a minha família!
- Ethan, cuidado! Ela está sem ar! Ela pode morrer! - Gritou Oliver.
- Eu só quero enfraquecê-la!
- Ethan, eu acho que ela já está bastante fraca! Vamos apenas amarrá-la e...

Themba não pôde terminar a frase, já que Nádia caiu no chão. Ela estava desmaiada. Ethan não tinha planejado aquilo dessa forma:

- Eu não acredito! Será que... - disse o rapaz, abaixando-se em direção à elemental.
- кровь замораживания - disse Nádia, a qual aparentemente havia fingido o desmaio - Eu posso estar fraca, mas ainda tenho truques! - A elemental ria, enquanto Ethan agonizava no chão e cuja pele estava ficando progressivamente azulada, como se ele estivesse sufocando -  O seu sangue congelando nesse exato momento e não há nada que você possa fazer para impedir isso!
- Mas eu posso! - bradou Themba, porém Nádia também lançou o mesmo poder em sua direção e, em questão de segundos, Themba também estava agonizando.
- Isso é muito fácil! - disse Nádia em meio a uma risada - Agora só falta mais um!
- Nem tente Nádia! - disse Oliver com um sorriso no rosto - Eu sou um elemental do gelo e você vai precisar de muito mais do que esse truque para me vencer!
- Coragem é diferente de habilidade moleque! Você deveria saber disso!
- Ah, mas eu tenho habilidade Nádia! - Oliver movimentou as mãos e neve se formou no ar - Além disso, eu consegui descansar e você não! Você pode até ser melhor do que eu realmente, mas eu não vou deixar isso me fazer não tentar! - Ele lançou a neve dispersa em direção a Nádia.
- O que você está fazendo? - disse Nádia, rindo - Isso é insignificante e você sabe disso!
- Bem, a neve sozinha é insignificante, mas se ela vier em grande quantidade, ela pode ser extremamente potente! - Nesse momento a neve se concentrou nas mãos e cabeça de Nádia e, progressivamente, a neve começou a se solidificar em sólidos blocos de gelo. Assim como Ethan havia feito, ele prendeu Nádia apenas nesses locais.

Assim que Nádia teve as mãos e cabeça presos pelos blocos de gelo lançados por Oliver, Ethan e Themba pararam de agonizar e as suas peles progressivamente adquiriram a tonalidade normal. Assim, Themba retomou a sua posição, prendendo o elemental da eletricidade, que estava quase quebrando a caixa de pedra na qual Themba o havia prendido, a qual estava enfraquecida, já que Nádia o havia atacado. Enquanto isso, Ethan estava bastante furioso com Nádia, devido ao ataque surpresa, então bradou:

- Você merece isso! - Ele lançou labaredas de fogo em direção à elemental, porém, além de atingi-la, isso também derreteu os blocos de gelo feito por Oliver.
- Obrigado! - Nádia, inesperadamente, lançou uma estalactite de gelo, a qual atingiu Themba no peito - Eu ainda tenho truques! - Completou a elemental do gelo, rindo.

Nesse momento, Ethan e Oliver se mobilizaram para oferecer ajuda a Themba, enquanto Nádia tentava aproveitar a situação para escapar. Porém, mobilizados pela visão de Themba agonizando, Ethan e Oliver, ainda que não-premeditadamente, atacaram Nádia ao mesmo tempo. Ethan lançou novamente labaredas de fogo em direção à elemental, as quais pareciam mais intensas dessa vez e cobriram todo o corpo de Nádia. Enquanto isso, Oliver lançou uma forte tempestade de neve, as qual também envolveu o corpo de Nádia. Os poderes dos elementais do fogo e do gelo deveriam se anular mutuamente, porém, surpreendentemente, a tempestade de Oliver se materializou em uma cúpula, com aparência cristalina, a qual envolveu as labaredas de fogo de Ethan e as potencializou. Os dois elementais permaneceram, momentaneamente, sem reação devido ao resultado dos seus ataques e, antes que os dois pudessem desfazer a cúpula cristalina de gelo e fogo, Nádia caiu novamente no chão. Dessa vez, ela estava, de fato, morta.
Imediatamente, Ethan e Oliver correram para junto do corpo de Nádia e desfizeram a cúpula que a envolvia. O corpo da elemental do gelo estava totalmente queimado. Ethan não podia acreditar no que havia acontecido. O rapaz sentou no chão e adotou uma postura defensiva, na qual ele aproximou as pernas em direção ao peito e as abraçou com os dois braços, então disse:

 - Eu matei alguém! - disse o rapaz. Um silêncio profundo momentaneamente se estabeleceu no local, já que Ethan continuava sentado, em choque, e Oliver estava tentando curar o buraco no peito de Themba, causado por Nádia. Segundos depois, Ethan quebrou o silêncio: - Mas eu não quis matá-la!
- Calma Ethan... - disse Oliver, enquanto ainda estava concentrado em ajudar Themba - Nós apenas estávamos tentando evitar que ela nos atacasse novamente no futuro, o que ela provavelmente faria! Eu não sei o que aconteceu, pois, de qualquer modo os nossos poderes deveriam ter se neutralizado - completou Oliver - Mas não temos tempo para pensar nisso agora! Themba, vai ficar tudo bem, eu prometo! - Nesse momento, Themba estava, aparentemente, tentando dizer algo, porém ele apenas agonizava e respirava com dificuldade.
- Aquele negócio deve ter atingido um dos pulmões! - disse Themba, levantando-se e se juntando a Oliver ao lado de Themba - Se nós não conseguirmos curá-lo, ele pode...
- Não Ethan! Ele não vai! - Interrompeu Oliver - Eu só preciso me concentrar! Já que esse dano foi causado pelos poderes de um elemental do gelo, eu acho que posso curar isso! Mas eu preciso da sua ajuda Themba! Use os seus poderes para se curar, tudo bem? - Themba assentiu com a cabeça - Eu vou progressivamente diminuir esse objeto no seu peito, enquanto você tenta se curar! Ethan, eu preciso que você cuide do elemental da eletricidade, pois ele está novamente tentando fugir da caixa de pedra na qual Themba o prendeu! Nós não precisamos de mais nenhuma distração!
- Pode deixar comigo Oli!

Vinte minutos se passaram, nos quais Themba progressivamente recuperou as funções respiratórias e Oliver diminuiu a estalactite no peito do elemental da terra. Ao mesmo tempo, Ethan continuava mantendo um círculo de fogo ao redor da já bastante enfraquecida caixa de pedra feita pode Themba para prender o elemental da eletricidade. Assim que pôde, o elemental da terra disse:

- Oliver! Muito obrigado! Eu não conseguiria me curar se não fosse por você!
- Eu é que agradeço por você ter vindo nos ajudar Themba! - respondeu Oliver - Ethan, eu acho que nós já podemos libertar o sujeito na caixa, mas com muito cuidado!
- Eu também acho Oli! - disse Ethan extinguindo as labaredas, enquanto Themba desmontava a caixa de pedra.
- O que vocês fizeram? - disse o elemental da eletricidade ao olhar para o corpo carbonizado de Nádia - Assassinos!
- Isso foi um acidente! - disse Ethan, com firmeza - Mas se vocês voltarem a nos importunar, eu juro que isso vai acontecer novamente, mas de forma mais intencional!
- Isso não vai ficar assim! - disse o elemental da eletricidade, o qual correu até o corpo de Nádia, segurou-o em seus braços e então desapareceu em meio a uma série de descargas elétricas.

Alguns segundos depois, os outros elementais chegaram ao local. Ao ver o estado de Themba, Gabriela perguntou:

- Themba! Meu deus! O que aconteceu aqui?
- É uma história complicada! - respondeu Ethan - Mas agora está tudo bem! Mas e quanto a vocês, como estão?
- Está tudo bem agora também! - respondeu Sophie - Nós chutamos o traseiro de uma elemental do ar e estamos todos bem! A elemental já se foi, junto com aquele outro elemental que estava com ela!
- Bem, então não precisamos nos preocupar em sermos atacados nesse momento! - disse Oliver - Agora temos outra preocupação... como está o carro?
- Totalmente destruído Oliver! A elemental do ar estava usando ele de escudo e bem... ele não está funcionando... definitivamente!
- Que droga! - exclamou Ethan - E agora, como vamos chegar à caverna?
- Eu posso dar um jeito nisso! - o elemental assoviou e, em seguida, oito cavalos estavam correndo em direção aos elementais.
- Boa Marco!
- Isso mesmo! Valeu Marco! - reafirmou Oliver - Agora nós podemos seguir para a caverna!

Assim, os elementais trilharam os quilômetros restantes para chegar até o Monte Castillo. Quando chegaram ao local, eles seguiram as instruções no mapa, o qual os guiava para uma das entradas do local. Depois de percorrerem alguns metros dentro de um túnel, os elementais chegaram a um ponto em que a caverna se dividia em dois caminhos, porém, segundo as instruções no mapa, eles não deveriam seguir nenhum dos dois. Ao invés disso, um dos elementais precisava demonstrar os poderes exatamente no meio dos dois caminhos. Assim, Ethan se ofereceu, dizendo:

- Eu faço isso! - ele materializou uma chama ao redor do seu corpo. Imediatamente, uma espécie de porta se materializou no meio dos dois caminhos com a seguinte frase escrita: Seja bem-vindo elemental. Nenhum humano é permitido a partir deste ponto, pois não existe nenhuma humanidade neste local.
- O que ele quer dizer com "nenhum humano permitido"? - disse Gabriela - Nós podemos entrar ou não?
- O nosso maior problema não é esse Gabriela! - disse Sophie - Eu acho que deveríamos nos concentrar na parte que diz "sem humanidade"!
- Vocês são livres para ficar, mas eu preciso entrar nesse local, não importa o que aconteça!
- Não seja bobo Ethan! Ninguém vai te deixar entrar aí sozinho, certo pessoal?
- Claro! Eu só acho que devemos ser extremamente cuidadosos a partir deste ponto!
- É isso mesmo Ethan! Todos vamos com você!
- Sim!
- Claro!
- Sem dúvida!
- Por que estamos demorando tanto? Vamos logo! - finalizou Alba, entusiasticamente.

Dessa forma, os elementais entraram pela porta que os levava por um terceiro caminho dentro da caverna no Monte Castillo. Porém, para a surpresa deles, no momento em que eles adentraram o local, os seus corpos tomaram formas de pura energia, de acordo com os seus elementos.

- Meu deus! Então era isso que a mensagem queria dizer com "nenhum humano" - disse Ethan, que agora era um ser puramente composto de fogo. 

Dessa forma, os elementais tinham outro desafio. Como seguir pela caverna em grupo enquanto a intensidade dos poderes de um elemental poderia ser perigosa para os demais?



ANTERIOR                             PRÓXIMO

3 comentários:

  1. We need the Next part!! Omg ��

    ResponderExcluir
  2. Essa historia é muito boa! Quero muito a continuacao dela!!!

    ResponderExcluir

O que você achou?
Dúvidas? Opiniões?