sábado, 10 de maio de 2014

Capítulo 6 - Seguindo em Frente (Cont.)

No outro dia, Enzo foi acordado por alguns gritos que vinham do lado de fora de sua casa, então se levantou e abriu a janela para verificar que, para sua surpresa, o seu pai estava gritando com alguém que ele, depois, percebeu ser Daniel. Assim, rapidamente, ele vestiu uma roupa e correu até a frente da sua casa onde Roberto bradava:

- EU JÁ MANDEI VOCÊ IR EMBORA DAQUI RAPAZ!
- Pai, o que está acontecendo? - perguntou Enzo, olhando para os lados, onde alguns vizinhos estavam observando.
- ESSE CARA NÃO TEM NADA O QUE FAZER AQUI! - bradou novamente Roberto.
- Pai, tudo bem...eu resolvo isso! Mas pare de gritar, por favor! Os vizinhos já estão olhando! - disse Enzo encabulado.
- Mas, meu filho, o que você ainda quer conversar com esse rapaz, que te fez tanto mal?
- Eu explico melhor daqui a pouco, só entre em casa por favor!
- Tudo bem, mas qualquer coisa é só me chamar!
- Tudo bem pai, muito obrigado! - Enzo observou o pai caminhar e entrar em sua casa, então se virou para Daniel e disse: - Oi Daniel!
- Nossa, que bom que o seu pai ainda me adora né? - respondeu Daniel rindo - Bom dia Enzo!
- Bom, não é sem motivo certo?! - respondeu Enzo, de braços cruzados e com uma expressão séria - O que estás fazendo aqui?
- Bem...isso é verdade - respondeu Daniel com uma expressão de constrangimento, então complementou - Bem, eu vim te oferecer uma carona para a UFTU! Aceitas?
- Eu não vou para a aula hoje! Eu vou a uma consulta.
- Ah...bem, então eu volto amanhã!
- Daniel...eu não acho uma boa ideia! - afirmou Enzo, com um tom calmo e ponderado - meu pai realmente não te vê com bons olhos atualmente e, além disso, a Frida não vai gostar disso!
- Mas eu pensei que nós voltaríamos a ser amigos!
- E nós somos Daniel! Mas não força a barra, por favor! A gente precisa ir com calma e, com certeza, você vir me buscar em casa não me ajuda a te dissociar do papel de namorado e não de amigo!
- Mas eu sempre de busquei e te deixei na tua casa! Mesmo antes de te beijar na cozinha da casa da Frida!
- Eu sei, eu sei! - aquela lembrança fez o estômago de Enzo se revirar - mas eu acho melhor isso não ocorrer por enquanto! Eu não sei se já te disse isso, mas esse era o melhor momento do meu dia, por isso ainda é muito significativo para mim.
- Eu entendo... - Daniel estava com uma expressão triste - Nesse caso, eu já vou. Desculpa o incômodo!
- Não fica assim Daniel, isso me deixa triste!
- Do que você está falando?
- Daniel, podes tentar mentir para outra pessoa, mas eu sei muito bem quando estás triste! Fazes um olhar de cachorro com fome! - Enzo riu.
- Não é verdade! - respondeu Daniel, rindo também.
- Olha, desculpa, eu sei que estás te esforçando para reatar a amizade. Eu aprecio muito isso, mas ainda tenho algumas restrições e acho que podes entender o porquê.
- Sim, eu entendo!
- Pois é, mas como uma demonstração de que eu também estou me esforçando eu quero te convidar para dar uma volta hoje! Lanchar, passear e conversar! A velha tríade!
- "A velha tríade"! Eu me lembro disso! - disse Daniel risonho.
- E aí, aceitas?
- É claro que aceito! Mas...eu posso vir te buscar!
- Olha, eu acho melhor não! Mas eu aceito que me tragas de volta! Tudo bem assim?
- Já é um começo!
- Então estamos combinados! Agora dá o fora, antes que meu pai venha te dar um soco! - finalizou Enzo  entre risos.

Depois disso, Enzo caminhou até a sua casa e, ao passar pela sala, encontrou seu pai lhe esperando na sala, o qual, prontamente, disse ao vê-lo:

- Enzo, o que aquele rapaz estava fazendo aqui?
- Pai...eu sei que o senhor não vai aprovar isso, mas ontem ele veio me pedir para eu perdoá-lo e para nós voltarmos a ser amigos e, bem...eu aceitei.
- Meu filho, eu tive que te buscar naquela festa, porque vocês estava simplesmente encolhido no chão do banheiro! E por causa dele! você lembra disso?
- Eu lembro pai, mas pega leve com ele, afinal a mãe dele morreu há pouquíssimo tempo! Confia em mim, eu acho que é melhor assim!
- Olha filho, nada justifica aquele tipo de atitude, então, se realmente fores dar uma segunda chance para ele, faça isso porque quer e não por pena, tudo bem? Eu sei que você é uma pessoa sensata, mas às vezes erramos em nossas escolhas, então eu só te peço para ter cuidado com essa relação! Não deixa ele te ferir novamente filho!
- Ah pai, obrigado pela preocupação! - Enzo abraçou o pai.
- É o meu papel meu filho! Eu te amo muito para deixar qualquer pessoa te machucar!

Assim, Enzo resolveu a situação com o pai e se arrumou para ir à consulta médica que estava marcada para 10:00. Como de costume no último mês, Pietro sempre acompanhava Enzo para todos os lugares e, quase sempre, utilizando o carro que ele afirmara ser do tio. Isto despertou a curiosidade de Enzo que, enquanto os dois estavam na sala de espera da clínica, indagou:


- Pietro, o teu tio não usa muito o carro né?
- Por que estás perguntando isso? - respondeu Pietro sobressaltado.
- Ah, não sei, eu sempre te vejo com ele! - afirmou Enzo.
- Enzo...se eu te confessar uma coisa, prometes não ficar chateado?
- Depende...o que é?
- Bom...é que, na verdade o carro é meu!
- SABIA! - gritou enzo, o que atraiu a atenção de algumas outras pessoas presentes na sala de espera, então, baixando o tom de voz, continuou: - mas por que mentiu para mim?
- Como sabias? - indagou Pietro surpreso.
- Ah Pietro, não é preciso ser um gênio para perceber que as tuas coisas vivem jogadas pelo carro e os teus CDs estão sempre por lá também! Mas, por que mentiu para mim menino?
- Ah... - Pietro corou - acho que eu não sei mentir muito bem, certo? - ele riu então, continuou - não menti por mal Enzo, apenas não sabia como te dizer a verdade depois que eu já tinha dito naquele dia que eu sempre andava de ônibus!
- Mas por que dissestes isso então?
- Eu queria te acompanhar até a parada e continuar conversando contigo! Depois voltei e peguei o carro no estacionamento - Pietro continuava corado - Sinto-me meio idiota nesse momento!
- Relaxa, não és idiota não! Mas se mentir para mim de novo eu vou te bater! - Enzo riu.

Depois da consulta, Pietro e Enzo foram para a UFTU, para as suas respectivas aulas da tarde, porém, como ainda estava cedo, eles resolveram almoçar na "Snacks". Entre muita conversa e uma farta refeição, o tempo passou e os dois foram para as salas de aula. Quando Enzo chegou à sua sala, encontrou Frida, que, para sua surpresa, veio falar com ele:

- E aí Enzo?! Eu vim perguntar o que você quer com o meu namorado! - ela finalizou apontando o dedo indicador para o rapaz.
- Frida, você tem dois segundos para tirar esse dedo da minha frente ou vai precisar de reabilitação depois! E, quando à sua pergunta, eu não quero nada que não seja uma boa relação de amizade! - Enzo sorriu e piscou para ela.
- Eu acho melhor que seja isso mesmo!
- Frida, eu não te devo qualquer explicação e também não fico nem um pouco amedrontado com qualquer ameaça sua! Agora faz o favor de voltar para o teu lugar!
- Eu voltarei porque eu quero! Só mais uma coisa, eu acho que formas um casal melhor com aquele desajeitado com quem estás sempre andando agora! - ela riu e se dirigiu à sua cadeira.

Durante a aula, Enzo recebeu uma mensagem de Daniel: vamos sair depois da tua aula tá? eu saio ás 18:00 e eu sei que vais sair às 17:00, então me espera na "Snacks" e quando eu sair te encontro lá. Assim, quando a aula terminou, Enzo fez como o rapaz tinha dito, esperou na lanchonete até o horário marcado, enquanto lia algumas anotações e estudava alguns assutnos. Daniel chegou quase pontualmente no horário, dizendo com um semblante abatido:

- Oi Enzo...
- Oi Daniel! Aconteceu alguma coisa? Estás com uma cara abatida.
- Por que não me contastes que estás namorando de novo?
- Por que eu não estou! - respondeu Enzo calmamente - quem te disse isso?
- Uma fonte segura! Apenas pensei que fosses sincero comigo!
- Olha Daniel... - disse Enzo irritado - em primeiro lugar, sabes muito bem que eu odeio que me acusem injustamente e sem provas! em segundo lugar, eu não te devo satisfação e nem preciso da tua permissão para que eu possa namorar ou não alguém!
- Ah claro, isso porque você disse que tinha ficado arrasado com o término do nosso namoro! Imagina se não tivesse ficado!
- Como ousas falar disso! E como ousas continuar me acusando! - Enzo se levantou da cadeira em que estava.
- Por que eu sei que estás namorando com aquele tal de Pietro! Qual é? Por que não admite logo, vocês dois estavam juntos naquele dia da festa, vocês vivem juntos o tempo todo! Até deixastes ele te trazer de carro hoje.
- Eu já disse que não te devo satisfação! E, para a sua informação, o Pietro tem sido um amigo tão bom ou até melhor que você! - Enzo caminhou furioso até a saída da lanchonete.

Enquanto caminhava distraído pela calçada, em direção à parada de ônibus, Enzo não percebeu que uma figura se aproximava dele, até que sentiu o cano de um revólver tocar em suas costas e alguém dizer: - passa a carteira!
Minutos depois que a figura que o abordara havia deixado o local com a sua carteira, Daniel chegou ao local e, ao ver Enzo ainda atordoado, disse:

- Enzo? Aconteceu alguma coisa?
- Eu acabei de ser roubado! - Enzo falava pausadamente - o cara apontou uma arma para mim! Isso...isso foi horrível!
- Meu Deus! Mas estás bem?
- É claro que eu não estou bem Daniel! E já era para eu estar em casa se eu não tivesse que esperar você sair da aula, somente para me importunar a paciência!
- Eu vim pedir desculpas Enzo...eu não sei porque eu agi daquele jeito!
- Eu sei! Porque você é um idiota! E quer saber, eu acho que isso não vai dar certo! Eu não quero ter que ficar te desculpando todo santo dia! Vamos voltar a como estava antes tá? Eu preciso seguir em frente e você não está colaborando nenhum pouco!
- Eu já disse que sinto muito!
- Tudo bem por aqui? - disse Pietro que havia chegado repentinamente.
- Oi Pietro! - respondeu Enzo - Tudo bem sim!
- Estás precisando de ajuda? Parecia que vocês estavam discutindo.
- Bom, nós estávamos de fato! Mas está tudo sob controle! Porém, eu acho que vou precisar de ajuda com outra coisa, porque eu acabei de ser roubado e fiquei sem dinheiro para voltar para casa, então será que poderias me dar uma carona?
- Claro Enzo! Vamos logo!
- Podes ir logo pegar o carro enquanto eu termino de conversar com o Daniel? Por favor.
- Posso sim, te espero no estacionamento tá?
- Tudo bem! Muito obrigado Pietro! Te encontro daqui a pouco.
- Por que pediu carona para ele? Eu posso muito bem te deixar em casa!
- Eu sei, mas eu não quero! Daniel, eu fiquei muito chateado com o que me dissestes hoje! Pensa bem, aparecestes namorando com a Frida só alguns dias depois de ter terminado comigo, e sabe o que eu fiz? Eu chorei! Mas eu toquei no assunto desde então? é claro que não! Uma amizade às vezes necessita que as pessoas finjam que certas coisas não aconteceram e você, simplesmente, não consegue! Então, se você for ficar me fazendo recordar cada dia que nós namoramos e que você agiu como um crápula comigo, eu, sinceramente, acho que isso não vai dar certo!
- Eu... eu não sei o que dizer! - Daniel baixou a cabeça.
- Não diz nada - Enzo, para surpresa de Daniel, abraçou o ex-namorado - apenas siga com a sua vida e me deixe seguir com a minha. Eu juro que eu queria que pudesse ser diferente, mas acho que nós não podemos nem mesmo ser amigos! - Enzo se afastou de Daniel, enquanto limpava algumas lágrimas do rosto - eu te amo demais para isso e acho que estar tão próximo de você talvez seja mais doloroso do que eu pensei!
- Enzo...
- Daniel, a pessoa por quem eu me apaixonei não existe mais, porém eu pensei que o meu melhor amigo ainda estivesse aí em algum lugar! Aquele que fazia cada segundo do meu dia mais feliz!
- Eu ainda posso ser esse cara...
- Eu acho que não! Esse seu ciume me faz ter esperanças que você me disse há algum tempo que não existem mais e isso me faz mal!
- Enzo, eu não quero ficar longe de ti! Esse mês em que não nos falamos foi horrível!
- Eu também me senti da mesma forma, mas eu acho que preciso de um tempo maior para, efetivamente, seguir em frente! Deixar de te ver, para mim, é um mal necessário! Espero que possas compreender! Eu não estou mais com raiva de você, é só que eu não consigo lidar com isso como eu achei que conseguiria!
- Eu compreendo! Mas me diz, pelo menos, que isso não é um fim e sim uma pausa!
- Nada é um fim nas nossas vidas Daniel! Eu não posso controlar o dia de amanhã, mas, por hoje, eu acho melhor não nos vermos mais!

Enzo saiu caminhando de volta para o estacionamento da UFTU, onde encontrou Pietro lhe esperando. Este apenas disse:

- Tudo bem mesmo?
- Nem um pouco! Me leva para casa , por favor!
- Como quiser!

Durante a viagem de volta para casa, Enzo se permitiu chorar e aliviar os sentimentos que ele vinha tentando conter em relação a Daniel, pois ele sabia que Pietro não diria nada até que ele estivesse pronto para falar. Quando chegaram em frente da sua casa, ele ainda demorou a sair do carro, para tentar se recompor, então, finalmente, desceu e caminhou em direção à casa, depois de agradecer e se despedir de Pietro, que realmente não tinha dito ou perguntado nada durante toda a viagem. Ao passar pela sala, o rapaz apenas cumprimentou brevemente os pais e correu diretamente para o quarto, onde se deitou e adormeceu em poucos minutos, pois estava cansado e não conseguiu se permitir pensar ou refletir sobre o que acontecera naquele dia.

6 comentários:

  1. Tô confuso ........

    ResponderExcluir
  2. Estou adorando todas as histórias! Parabens! Todo dia eu entro para ver se nao tem nova postagem!

    ResponderExcluir
  3. por favor, dê um desfecho bom pra essa história...

    ResponderExcluir
  4. amo suas histórias!!

    ResponderExcluir
  5. Quando sairá o novo capitulo? Querendo muito saber o desenrolar dessa história !! Parabéns pelo ótimo trabalho !!

    ResponderExcluir
  6. Ual... Mais uma vez Pietro aparece como herói.... Acredito que deveria ter mais uma declaração nesta história.... Adorei a parte que Daniel descobriu que era mentiras sobre o carro e do por que ele mentiu... Pietro sente algo por Enzo.

    ResponderExcluir

O que você achou?
Dúvidas? Opiniões?